Começou a acontecer ao redor do mundo e agora, no Brasil. O Drive-In está de volta! Não sei se para ficar, mas está aí. Como um plano alternativo em tempos de covid-19.

São Paulo já tem três espaços de cinema ao ar livre com essa proposta “retrô”, e outras cidades começam a adotar o drive-in como alternativa à impossibilidade de nos “ajuntarmos” naquele cineminha bacana, e que era uma das grandes opções de lazer das nossas comunidades.

E vamos combinar que a ideia é um charme só, você não achou?!

Em tempos de reinvenção, essa viagem gostosa no tempo, que tantos de nós não experimentou e tem agora a possibilidade de conhecer, tem um “quê” de inovação. Aquele “plano B” que ficou tão bom ou melhor que o “A”.

É outro programa… Na proposta dos empreendedores da área, a coisa toda tem um ritual que combina com tempos de pandemia sim, mas também com romance, com conforto, conveniência e tecnologia. Sim, tecnologia, pois nova ou velha, enfrenta clientes exigentes, então precisa funcionar bem e promover a mesma sensação de prazer e envolvimento com a mídia que o cinema convencional provoca.

Hoje a compra é feita on-line. Sem bilheteria física, a pessoa quando acessa o evento compra seu ingresso, a do seu “carro”, na verdade, e garante vaga para até quatro pessoas. Essa regra pode mudar de empreendimento para empreendimento, mas funciona mais ou menos assim. Toda a compra de alimentos e bebidas também é feita via aplicativo/online, o que evita filas e aglomerações indevidas na hora da transmissão.

O único momento no qual a pessoa pode sair do carro é quando vai ao banheiro. A solicitação pode acontecer pelo aplicativo, e, em outros casos, ligando o pisca-pisca do carro. A tecnologia varia neste caso também:)

O som vem de um canal de rádio, em uma frequência na qual cada carro se conecta. Por ali, a conexão com o telão acontece! Imagem e som! E assim, voltamos aos tempos do namoro no nos bancos do carro, da diversão segura entre amigos, protegidos uns dos outros, em tempos de distanciamento social.

Ocorre que, criativamente, se deu jeito para o lazer acontecer. E o movimento vem propondo solução semelhante a outros meios artísticos como shows, apresentações de dança e peças de teatro. Tudo em fase de projeto ainda, mas na cabeça de quem está tentando dar um jeito neste momento que exige tanta criatividade para seguirmos a vida.

Aqui em Porto Alegre, a H Mídia deu jeito em transformar sua mídia de rua em Led, de alta definição, em tela de cinema. Se trata do Mídia Truck, utilizado até então para a produção de mídias em formato digital, e em movimento, considerando que as telas são acopladas em caminhões específicos para este tipo de projeção, sendo assim, itinerantes.

O projeto convida empresas a promoverem este “lazer” para até quarenta carros, com um valor estabelecido para três horas de exibição. É uma solução para shoppings e espaços comerciais que possuam estacionamento amplo e o desejo de receber grupos de pessoas, promovendo cultura, prazer e aproximação à marca, por um bom motivo.

Não é uma boa ideia? Esta aí uma alternativa de abraçar quem está em isolamento, precisando se divertir, e acessar o mercado de novo, pelo carinho e empatia do promotor da festa! Digo, do “cineminha”, e de toda a inovação e viagem no tempo que ele é capaz de nos presentear:)

Enfim, é mais um “plano B” que ficou bom demais! Esse povo é criativo 🙂

Juliana Silveira é co-founder da Dtail Gestão de Conteúdo e criadora do blog New Families, onde escreve semanalmente com um olhar de sensibilidade única sobre o recomeço da família após o divórcio.

Juliana Silveira

Author Juliana Silveira

More posts by Juliana Silveira

Leave a Reply